Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2011

o drible no racismo

O episódio acerca da discriminação racial de que foi vítima o jogador de futebol Grafite, que à época (2005) atuava pelo time do São Paulo, gerou um debate revelador a propósito de um sem-número de imposturas no tocante ao modo de abordagem do racismo brasileiro em âmbito futebolístico. Não é de agora que se percebe que a barbárie – ou uma irracionalidade circunscrita, e como que tolerada, dentro dos limites “da rodada” – se refugia nos apreciadores e nas coisas relacionadas ao futebol. De outra parte, não recuso de modo nenhum o futebol que, não só para mim, aliás, para muitos, é considerado uma forma de arte e, portanto, de modo análogo como o poeta Charles Baudelaire a entende, também o futebol tem os dois elementos constitutivos da modernidade artística: um que é contingente (pode ser jogado com mais ou menos cadência, pode ser mais ou menos defensivo, etc.) e outro que é eterno (são onze contra onze, habilidade com a bola e eficiência na ocupação dos espaços). Sou torcedor con

A multiplicação de textos de Le mot juste

Tal como os espelhos borgianos, os livros também têm algo de monstruoso, pois, não obstante a esterilidade mallarmaica que os anima ou os justifica diante da ambiguidade da figura do leitor, eles – substitutos precários da cópula –, os livros, são abomináveis não porque multiplicam o número das ilusões de que se servem os homens na tentativa de ratificação de suas personae , mas porque multiplicam o número dos textos no Dédalo da biblioteca. O conjunto de textos, ou melhor, a narrativa de formulações textuais, Le mot juste , de Roberto Amaral, participa dessa álacre impertinência moderna do livro (que é feito) de livros, tradição que começa ou dá uma passo crucial com o Quijote de Cervantes. Com efeito, há pouco um poeta estava no caminho certo ao cantar e contar que “vão-se os papéis dos inumeráveis volumes, mas ficam os textos”. Desdobram-se as formas de discursos sobre os textos. Leituras. E a leitura, quando motivada por uma apetência, a um só tempo, seletivo-crítica e criat