Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2016

Xirê e a matéria viva do poema ritual

Ronald Augusto [1] Xirê , a festa, a invocação do intelecto que gira sobre si mesmo no redemoinho do mundo. Dança e contradança do ori entre as palavras. Orikis heterodoxos da indeterminação. Por seu turno, Dú Oliveira conhece por contato a determinação da poesia rumo à ambiguidade: “ nas asas/ da/ palavra/ e/ dos/ mistérios/ e/ intenções/ não reveladas// serei/ eu/ a/ dizer/ da/ festa ?”. E aqui vai minha evocação: Roman Jakobson, estudando o “riso ritual” no contexto medieval, argumenta que é “a hilaridade que possibilita ao homem comum terreno reafirmar-se face a face com o Misterioso”. Em termos antropofágicos a alegria é prova dos nove. Em Xirê Dú Oliveira afivela sobre o próprio rosto a persona cambiante do ator ritual e assim se transfigura álacre a cada poema jogado. O poeta feito oficiante experimental. O jogo ritual com a linguagem sabe a uma definição de poesia. E tal jogo alcança o mundo interior na superfície mesma do exterior. O poema sempre como um jogo

MONTAIGNE: O ENSAIO COMO AUTORRETRATO

Ronald Augusto [1]   O que se pretende aqui é investigar e comentar que espécie de eu ou de voz narrativa atravessa os ensaios de Montaigne. De saída pode-se afirmar, por meio de uma leitura comparativa, que nos Ensaios não deparamos o mesmo tipo de eu (como mecanismo discursivo) que, por exemplo, serve de instrumento tanto a Descartes como a Agostinho para a consecução e apresentação de seus textos e problemas filosóficos. Sob uma aparente similaridade, isto é, a de que nesses casos temos filósofos escrevendo a partir da primeira pessoa do singular ou conferindo ao pronome pessoal um estatuto mais dramático no que toca às condições de possibilidade do conhecimento, enfim, sob essa virtual aproximação, cabe estabelecer algumas distinções. Distinções estas que, de resto, vão demarcar o que é irredutível a cada um desses percursos filosóficos. Tendo em mente as considerações do poeta T. S. Eliot que no ensaio Las tres voces de la poesía [2] analisa as possibilidades