Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2020

Ninguém me perguntou

  Ninguém me perguntou Ronald Augusto [1]   Há muitos anos, numa galáxia distante, participei de um seminário da literatura que reuniu muitos escritores negros brasileiros e um outro tanto de escritores africanos de expressão portuguesa (assim se dizia). Não obstante a promessa de vários interesses em comum, algo estranho aconteceu. Os angolanos e moçambicanos não aceitavam muito bem a noção de literatura negra que à época defendíamos. Eles vinham de um contexto de lutas de libertação que exigia unificação em torno da conquista de sua independência em relação à Portugal. Aparentemente nossas lutas eram distintas. Estou rememorando isso com o intuito de explicar que essas experiências escriturais não formam uma mesma massa indistinta.   Porque às vezes as literaturas africanas (os autores e as obras que as representam) são lidas como discursos que se relacionariam naturalmente com os textos de autores negros do Brasil e outras diásporas negras. Não obstante o desejo de aproxim