Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2018

O trágico como vacilo de linguagem

O trágico como vacilo de linguagem Ronald Augusto [1] Aristóteles, em sua Ética a Nicômaco , afirma o seguinte: “Não se deve procurar indiferentemente o mesmo rigor em todas as discussões”. Por outro lado, o desprezo total a uma medida necessária de rigor – lógico, e não rigor mortis – em nossos julgamentos e interpretações, pode levar a resultados, no mínimo, desagradáveis. Neste sentido, isto é, na perspectiva de validação de julgamentos e interpretações, talvez seja possível afirmar que a tragédia funda a necessidade da lógica; a necessidade de comprovação dos discursos, a comprovação das prescrições e das profecias. Essa é uma tese defendida por alguns autores, ou seja, podemos reivindicar a noção de que o “erro de linguagem” – um vacilo interpretativo, por assim dizer – está na fonte do princípio trágico. Dito de outro modo, o que o herói trágico pensa sobre o mundo e o que ele predica a respeito dos fatos em que se vê implicado nem sempre concordam, em última aná

fortuna crítica: entre uma praia e outra

Generosa e inflexível Guto Leite [1] Escrever a apresentação para um livro de poemas do Ronald Augusto é, antes de tudo, compartilhar da responsabilidade de fazer com que a leitora ou o leitor leve pra casa a obra de um dos maiores escritores contemporâneos do país e que por vários motivos, que vêm ao caso, não goza desse estatuto. Entre uma praia e outra é mais um dos grandes livros recentes do poeta, só que mais robusto, um ponto de chegada de um trabalho cerrado e de excelência. O que o faz chave para a leitura deste tempo, ouso dizer, são suas radicalidades. A primeira: ao investir na independência da palavra em relação ao que expressa e da forma poética em relação ao mundo. O poema não se coloca como continuidade de nossas vidas, mas nos objeta. A segunda: ao tratar de mesma forma o leitor. O poema não embala o leitor. O poema não se curva ao leitor. O poema não serve ao leitor. O poema é um outro. O leitor precisa sair de si para desvendar os termos, a disp