Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2018

reiterar AXÉVIER, CONTRALAMÚRIA

AXÉVIER, CONTRALAMÚRIA [1] Ronald Augusto [2] Linguagem de perturbante experimentação, uma poesia de invenção como a de Arnaldo Xavier (1948-2004) pode ser examinada não só no que diz respeito à estranheza da fissura aberta por ela em partes ou no corpo de determinado sistema literário. Vale dizer, dentro de um traçado de rupturas inaugurado pelo alto modernismo e que, desde então, parece ter se constituído no cânone da contemporaneidade, o que Arnaldo Xavier injeta de novo em tal corrente sanguínea? Temos aí, um ponto. Por outro lado, este exame nos permite compreender também um pouco do caráter e das imposturas desse sistema mesmo que, desde sua condição normativa e dogmática, manteve ou mantém, com relação às transgressões de Arnaldo, uma atitude, no mínimo, defensiva.  Sem receio, sem dever favor a ninguém e satisfeito por não ser confundido com os medíocres beletristas com lugar garantido em antologias temáticas, “todos [estes que] a tudo o seu logo acham sal

2018 de xangô

terça-feira as pedreiras e as cachoeiras todas ocupadas pelo arranco de 12 angry xangos de 1 a 6 os mais mancebos trovejam justiçamentos de 7 a 12 senectude de galos velhos colorados que provêem o dactiloscrito o aceiro do intelecto a cláusula que rasga as entranhas do branco carneiro