Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2016

o controle e o desvio

Arte e poesia medievais: o controle e o desvio Ronald Augusto [1] I .                    No rastro de E. H. Gombrich O papel da Igreja no mundo medieval é complexo e contraditório, entretanto, é como que consensual a crença de que o que se considera hoje a produção artística do período, grosso modo, assume a característica de ser uma transposição estética, pelo menos em termos de imagens e de obras arquitetônicas, da palavra sagrada. Em vários capítulos da obra de E. H. Gombrich, A História da Arte , por exemplo, deparamos um painel representativo tanto dos modos de realização, como de recepção da arte da Idade Média situando o problema entre os séculos VI e XIII. Nessa obra, Gombrich adverte que se ocupa de elementos da história da arte ocidental em que o período de Constantino passa a se adaptar aos preceitos do Papa Gregório Magno que instrumentaliza a arte com o objetivo de promover a educação religiosa dos leigos. Em certo sentido Idade Média e Igreja podem s

a fama como culto e impostura

Andy Warhol: a fama como culto e impostura Ronald Augusto [1]   Donald Kuspit abre o capítulo 5 (“Fame as the cure-all: The Charisma of Cynicism – Andy Warhol”) da obra The Cult of the Avant-Garde Artist (1993), com três epígrafes, e em uma delas há um comentário do próprio Andy Warhol em que se lê a seguinte afirmação: “Nos dias atuais se você é um trapaceiro/impostor, ainda assim você estará por cima” ou, como prefiro ler, “Nos dias atuais se você é um impostor, por isso mesmo você estará por cima”. A epígrafe se mostra importante por colocar já de início a noção de cinismo ou de culto à trapaça na arte de Warhol. Ao longo de sua análise, Kuspit relaciona essa senha paratextual à arte perversa de Warhol que, de resto, opera uma manipulação da ânsia contemporânea pela fama como cura para tudo (panaceia). Num primeiro momento de sua análise Donald Kuspit parece admitir que Warhol se relaciona com a fama de um modo fetichista, isto é, segundo o crítico, Warhol acreditar