Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2013

Toda poesia Paulo Leminski

(fragmento de artigo cuja a íntegra se encontra em Sibila:  http://sibila.com.br/critica/uma-analise-da-poesia-de-leminski/9496 ) N ota avulsa ao livro Toda poesia Paulo Leminski . Depois da divisa “repetir para aprender; aprender para criar”. Leminski propôs o seu “aprender para chamar a atenção”. No filme It might get loud há uma cena onde aprendemos a eficiência precária do truque do chute na cadeira, truque que com relação à performática do músico serve de análogo ao estratagema da sacada na poesia de Leminski. Na cena em questão, Jack White canta e toca num piano desafinado e encardido o blues “ Sittin’on top of the world ”. Junto ao músico se encontra um menino que interpreta o próprio White aos 9 anos de idade, quando a música se aproxima do seu desfecho o guitarrista, num crescendo, começa a executá-la uma oitava acima, levanta-se da cadeira onde estava sentado e, enquanto toca com energia os derradeiros acordes, ensina ao menino, ele mesmo, o seguinte: “ If you wa

anotações para uma aula

Em termos das transações culturais o estranho é fundamental para a dinâmica das tradições. A identidade cultural se nutre do outro. Ela é antes antropofágica do que autofágica. Ela se renova no contato com o estranho. Pureza cultural é fascismo. Exterminar o estranho é uma forma de suicídio. Oswald de Andrade e a Antropofagia em sentido ritual e metafórico, i. é, como analogia aos processos de cruzamentos culturais. A razão antropofágica, segundo Oswald, pensa a identidade e o verismo nacionais em diálogo com os insumos “inimigos”, mas na perspectiva da invenção de algo original. O que importa é a margem de liberdade com que trabalha o canibal cultural na assimilação e na reacomodação dos dados do outro ou da herança universal devorados amorosamente, fraternalmente.  O foco de interesse para uma escrita que se pretende poética (em sentido Aristotélico), literária, deve ser a noção de estranhamento; estranhamento de linguagem. A particular comunicação poética pressupõe