Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2009
http://palavraria.wordpress.com/ Abertas as inscrições para a oficina Linguagem: o lugar da poesia com Ronald Augusto 5 encontros: 06, 13, 20 e 27 de janeiro e 03 de fevereiro de 2010, sempre às quartas, das 19 às 21h Informações & Inscrições: Com Ronald Augusto, dacostara@gmail.com Trata-se de uma oficina composta por experimentos práticos, onde os participantes escrevem e lêem seus textos o tempo todo, estabelecendo um ambiente de interlocução entre lúcido e lúdico, um jogo de interpretações e de trocas constantes, sem formalidades ou hierarquizações. Nos encontros serão feitas leituras recíprocas entremeadas por conceitos da função poética da linguagem. O objetivo é despertar o olhar crítico-criativo do escritor para a ideia de que existe uma arte da palavra que envolve tanto a poesia como formas menos comerciais de prosa. As referências são variadas, de Manuel Bandeira a Clarice Lispector, passando pela poesia concreta e Ferreira Gullar, chegando até os escritores contemporân

quando o carnaval chegar

Carnaval e tolerância. O treino social encerra forte carga afetiva. A visibilidade dos negros durante o período momesco é tolerada e inflacionada (masoquismo), apenas para confirmar a regra de deflação da sua existência-presença (sadismo) subalterna no restante do ano fiscal. A mulata transfere sua “natureza” à categoria de um rendoso “emprego temporário” durante os dias de folia. O passista-gari confirma a impossibilidade de que um convencional “ócio criativo” possa vir a ser gozado um dia pelos representantes meio brancos da classe média-alta brasileira que se penaliza por não possuir a ginga, por não ser cool o bastante, etc. Portanto, só lhes resta, mesmo, abandonar-se ao trabalho, à especulação, aos seus privilégios históricos e à defesa da meritocracia no livre embate da mobilidade sócioeconômica. Dizem que o gari, tolerado enquanto celebridade (e posam ao lado dele!), é o Othello (shakespeariano e não o pequeno Grande Otelo) sem ressentimento da nossa brasilidade de “cadinho