Pular para o conteúdo principal

Postagens

Destaques

O que fazer com o esteta e o moralista?

O que fazer com o esteta e o moralista? Ronald Augusto[1]
A estética, ao que parece, é um campo hesitante e algo controverso, capaz de, inclusive, confundir o interessado quando sua consideração a propósito do tema se dá, por exemplo, através dos termos dos pensadores do idealismo. De outra parte, aísthesis, o conceito grego de onde se origina a disciplina, significa sensação, sentimento. Mesmo que, historicamente, seja considerada como um ramo da filosofia, a estética aqui e ali é representada como uma disciplina meio lateral ou menos estável, afinal, a investigação estética não se dedica necessariamente a formas artísticas constituídas; seu interesse, de vocação esclarecida e racional, por experiências da sensibilidade e do afeto que se relacionam a uma série de objetos, a coloca, no entanto, constantemente em situações movediças e fungíveis, ainda mais quando se trata de determinar a precisão dos juízos e conhecimentos pretendidos. Um argumento que sustentaria a tese da instabilidade…

Últimas postagens

Solidariedade maledicente e infernópolis

o 20 e a evasão do racismo à brasileira

A explicação no lugar da voz

Miscelânea de algumas semanas

subir ao mural: leituras