Nem, nem




[nem raro nem claro, ed. butecanis, 2015]


[mnemetrônomo, ed. butecanis, 2014]

Por Ricardo Silvestrin 
[texto publicado originalmente em: http://www.musarara.com.br/nem-nem]


Depois de Empresto do Visitante (Patuá, 2013), livro em que cintilam poemas-instante, clics da paisagem que ombreiam em beleza com o que retratam, Ronald Augusto lançou dois volumes pela editora Butecanis: Mnemetrônomo (2014) e nem raro nem claro (2015). No primeiro, o poeta enfrenta, não sem revelar o esforço que a tarefa demandou, a construção de poemas metrificados:
.

dizer em sáficos esses dez lustros
com que deslustrei minha juventude
não é de amargar mas me sai a custo (…)
.
Mas não pensem que a forma clássica amansou o discurso enviezado que costuma estar presente na poesia de Ronald. A seleção de palavras com pontas, que se atritam entre si no poema, continua presente:

ao peso se dobra
.

por seu modo insurrecto e sem molhar palavra
ria menos viril que ônfalo e às pregas
alheio a mais desditas derribando regras
que lhe custaram escaras tanta choça brava

quando não anedotas de secar escrúpulos
aos que lhe eram caros e ruins dependendo
outra vez seu acinte prestava a medo
quem lhe dera o molesto jurara sem cuspo

pelo sol sem cachaço que surte com o inverno
não havia outro trato a dar à circunstância
foi sempre assim consigo e a um golpe de lança
fende-se essa página engolindo-o inteiro

Insurrecto, rir às pregas, derribando, escaras, choça, molesto, sem cuspo… Termos e expressões mais raras povoam o texto do autor desde o excelente Homem ao rubro (1983). Constroem um labirinto semântico em que podemos ter duas atitudes como leitor: parar a cada desvio, consultar se preciso o dicionário, ou seguir adiante. Já usei os dois métodos e o resultado foi o mesmo.
Os poemas de Ronald propositadamente lidam com as palavras de maneira analógica. Assim como se escolhe uma palavra para se unir à outra pelo som num poema, o que é um critério não semântico, podem ser aproximadas palavras que, justamente por serem estranhas em significado, sejam colocadas lado a lado. Com esse procedimento, Ronald vai alternando na sua poesia o raro e o claro, dois termos que escolheu para nomear seu livro mais recente:

brossiano
.
quando você quer indicar
ao motorista do ônibus
que vai descer na próxima parada
basta apertar o botão
ou puxar a cordinha

já que não é possível
coisar as coisas em si mesmas

Esse poema é claro, mas a clareza não o impede de ser raro. O final, afirmando que não é possível coisar as coisas em si mesmas, traz para uma cena cotidiana tanto uma novidade de leitura quanto de linguagem.
A produção do poeta, em pleno desenvolvimento, continua trazendo questionamentos estéticos e mostra que o canto não o abandonou. Ao contrário, continua soando com o eterno movimento das ondas do mar:

(…) mesmo que me abandonem esses cantares
tomados ao olvido que marulha,
.

a retro, infinidades de outros mares

Comentários

Postagens mais visitadas