Pular para o conteúdo principal

Antimanual de instruções para flutuar





Prólogo travestido de poema; parapoema; operação duchampiana onde o discurso poético se interessa por sua própria desaparição e toca, portanto, a linha de fronteira da antipoesia; virulento tolicionário aos interessados em conquistar uma vida segura; enfim, o texto que situa o leitor na antessala do conjunto de poemas Use o assento para flutuar de Leo Gonçalves, parece exigir desse leitor que ele “pare à porta e cisme”. Sem recusar a noção de que um poema começa por onde termina, Leo Gonçalves – sabendo que diante da aparente impenetrabilidade do poema o fruidor anseia para que se abram suas portas de modo que ele seja introduzido nesse universo desconhecido – concebe a leitura como suspeição irônica diante dessas portas que estão sempre maliciosamente abertas.
O texto de abertura justapõe uma série de sentenças e enunciados que se constituem numa espécie de manual de instruções de corte paródico cuja observância facultará uma vida de prudência ao cidadão resignado ou ao “homem sem qualidades” do nosso tempo. Cada conselho-advertência desse manual inicia monotonamente com a anáfora “para sua segurança” (em negrito). Os clichês e os lugares-comuns que se seguem reforçam uma crítica mais ao autoengano e à autointerdição do que ao controle externo imposto pela sociedade ao sujeito. Exemplos de tal ambiguidade: “para sua segurança nunca dê uma passo em falso”; “para sua segurança tudo que é difícil cansa”; “para sua segurança mande matar o autor”. “para sua segurança mulheres e crianças primeiro”.
Em Use o assento para flutuar Leo Gonçalves se revela um poeta cujo alento versificatório traz a marca whitmaniana-poundiana dessa discursividade extravagante, desse lance textual que desborda das suas margens toleráveis, fazendo do corpo sonoro uma algaravia de sereias ventríloquas. Ao mesmo tempo, os transes rítmicos vêm de aruanda (do ori), já a imagética deita raízes no alto modernismo e em sua antilira logopaica. No poema mais longo “WTC Babel S. A.” esse convulsivo sincretismo poético se apresenta em toda sua radicalidade infernal. Uma medida de pop; fotogramas de um epos babélico; pornografemas e drogadição estética; sicários políticos postos a nu.
Por fim, um detalhe, uma pequena zona de escape para a prosa se dá a ver em Use o assento para flutuar. Leo Gonçalves experimenta as formas breves na narrativa “A decisão”, esboço de fábula, objeto verbal do absurdo. Kafka o observa do fundo da città dolente. Leo, leitor de Dante, mergulha no reino ínfero das linguagens e constrói seu edifício para o leitor ninguém-ulisseida e, a partir do jogo entre o fortuito e o forçoso, leva a efeito o movimento triádico e reiterativo. Pois, de acordo com os preceitos da cifra 3, se alguma coisa acontece apenas uma vez estamos frente ao acaso; se acontece pela segunda vez, pode ser que indique uma coincidência feliz ou não. Por outro lado, se o evento ocorre uma terceira vez trata-se já de uma confirmação, um signo. Use o assento para flutuar confirma Leo Gonçalves como um poeta atento ao risco e à premeditação, à deriva semântica e à composição intransigente.
Para a sua segurança, prezado leitor, antes de abrir o livro, é essencial deliberar se você vai limpar pés na entrada ou na saída.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TRANSNEGRESSÃO

TRANSNEGRESSÃO 1              No período em que morei na cidade de Salvador, Bahia, final da década de 1980, fui procurado, certa ocasião, por uma estudante alemã que desembarcara no Brasil disposta a realizar um minucioso estudo sobre a literatura negra brasileira. A jovem estudante demonstrava grande entusiasmo diante de tudo o que se lhe apresentava. Antes de Salvador havia passado por São Paulo e Rio de Janeiro, onde conheceu, respectivamente, o genial Arnaldo Xavier e o glorioso Ele Semog. Posteriormente, estes poetas encaminharam-na a mim e a outros escritores também residentes em Salvador. Tivemos, se bem me lembro, dois ou três encontros de trabalho envolvendo entrevistas e leituras comentadas de poemas. Numa dessas reuniões, apresentei-lhe sem prévio comentário um poema caligráfico-visual. A jovem alemã, cujo nome prefiro omitir, se pôs a examinar e re-examinar aquelas traços opacos de sentido, e que, de resto, não ofereciam senão mínimos índices de informação verb

Oficinas literárias para quem?

  Oficinas literárias para quem? Ronald Augusto Começo essa análise apresentando um conjunto de imagens relativas a um tipo de prática hoje bastante comum na economia do sistema literário. Tal prática, de caráter pretensamente formativo, já que objetiva preparar o interessado tanto para o artesanato da escrita literária propriamente dita, como para as demandas do mercado livreiro-editorial, é conhecida como  oficina de criação literária  ou  oficina de escrita criativa . Adianto que todas as imagens representam por metonímia – em sua redundância infelizmente cotidiana – uma quantidade expressiva de materiais de divulgação de pequenos empreendimentos empresariais ou autônomos voltados à capacitação de pessoas dispostas a conquistar lugar e algum reconhecimento na área da literatura. Seguem as imagens.                              É preciso dizer que optei por selecionar apenas imagens em que houvesse a figuração ou a presença de pessoas, modelos, partes do corpo de modelos etc, dentro d

oliveira silveira, 1941-2009

No ano de 1995 organizei a mini-antologia Revista negra que apareceu encartada no corpo da revista Porto & Vírgula , publicação — infelizmente hoje extinta — ligada à Secretaria Municipal de Cultura e dedicada às artes e às questões socioculturais. Na tentativa de contribuir para que a vertente da literatura negra se beneficiasse de um permanente diálogo de formas e de pontos de vista, a Revista negra reuniu alguns poetas com profundas diferenças entre si: Jorge Fróes, João Batista Rodrigues, Maria Helena Vagas da Silveira, Paulo Ricardo de Moraes. Como ponto alto da breve reunião daqueles percursos textuais, incluí alguns exemplares da obra do poeta Oliveira Silveira. Gostaria, agora, de apenas citar o trecho final do texto de apresentação que à época escrevi para a referida publicação: “Na origem todos nós somos, por assim dizer, as ramificações, os desvios dessa complexa árvore Oliveira. Isto não nos causa o menor embaraço, pelo contrário, tal influência nos qualifica a