Pular para o conteúdo principal

o 20 e a evasão do racismo à brasileira





Ronald Augusto[1]

No início de novembro postei em minha página do Facebook o seguinte comentário: estamos no mês em que o Brasil finge dar atenção aos desejos e lutas de sua população negra. O sentido da ironia não visava deprimir o ânimo de uns, nem desprezar a empatia de outros em relação ao combate que deve ser movido contra o racismo institucional e individual. Pelo contrário, o interesse era afirmar que devemos pensar a mobilização antirracista como um imperativo moral ao problema estruturante de nossa formação e não apenas registrar uma efeméride sentimental por meio da qual se tenta purgar o trauma racial em que brancos e negros estão implicados, estes como vítimas, aqueles como patrocinadores (indiferentes ou não) do racismo que é inseparável dos privilégios de que gozam.
Para nós que enfrentamos e pensamos essa ideologia sem descanso ao longo do ano fiscal, a questão mais complicada é deparar com a negação da violência, não obstante pesquisas que comprovam o desemprego, a pobreza e o genocídio que atingem preferencialmente os negros. Entretanto, é surpreendente como no mês de novembro o sentimento das pessoas parece ser o de negar a negação da ideologia do racismo. Há tantas manifestações de solidariedade e de assentimento à luta dos negros por respeito e estima que a sensação que se tem é de que nos evadimos do Brasil por alguns dias. O novembro é preto.
A noção de intervalo organiza nossa disposição para a tolerância ou para a intolerância. Duas situações. No intervalo dos dias de carnaval toleramos, por exemplo, o preconceito recreativo e o racismo risonho contra gays e negros. O desrespeito social assume a forma divertida das marchinhas carnavalescas reacionárias e reitera a instituição do blackface (o cosplay de crioulo, crioula) a pretexto de homenagem aos não-brancos. Findo o carnaval, todos voltariam à cordial incivilidade.
A segunda situação de intervalo, isto é, de uma zona de escape onde supostamente não precisamos responder por nossos atos e discursos ofensivos, diz respeito aos noventa minutos de uma partida de futebol. Há quem justifique os ditos e as agressões racistas dentro dos estádios por meio do conceito: cultura do futebol. Essa cultura abrigaria uma moral toda particular que isentaria os envolvidos de prestar contas de seus desacatos para além dos limites do estádio. Graças a esse guarda-chuva de leniência seria possível justificar um amplo conjunto de agressões e imposturas. Dentro dos estádios estaríamos autorizados, em nome da natureza das coisas futebolísticas, a praticar toda espécie de barbárie. Por fim, fora do intervalo de noventa minutos do ludopédio, voltaríamos a ser democratas.
À diferença desses dois modos de intervalo que suportam formas de intolerância, o Dia da Consciência Negra começa a se constituir como um intervalo onde somos incitados, ainda que temporariamente, a exercitar agora o respeito e a empatia relativamente à história e à luta dos negros. Mas antes e depois de novembro a história é bem outra. Festejamos um mês de representatividade preta e de negritude. Dissimulamos onze meses de consciência humana, isto é, de branquitude autocentrada, orgulhosa e ignorante de suas vantagens.
Uma vez que no Brasil a necropolítica e a caridade andam de braços dados; que casos de racismo entram no conjunto de situações que apenas geram polêmica; e que muitos supõem que é melhor perdoar as ofensas – já que as ofensas, ao menos aqui, não visam ofender – enfim, em vista disso, minha tendência é nutrir um forte pessimismo em relação ao drama racial. E mesmo reconhecendo a relevância do dia que evoca a memória de Zumbi, não me sinto à vontade nem entusiasmado com o mês temático.
Antonio Callado disse certa vez que era de uma geração que, a propósito das questões cruciais do Brasil (desigualdades sociais e recuos políticos), lutou todas as lutas importantes de seu tempo, mas perdeu todas. Assim, em relação ao racismo e dentro dos meus modestos limites de intervenção, não me espanta que, aos cinquenta e tantos anos, eu comece a experimentar análoga sensação de derrota. Soa meio dramático, sim.
Por este motivo não consigo esquecer que Kafka escreve, em algum lugar e frente à vertigem do pesadelo, que deve haver esperança, sim, mas não para nós. Acontece que no pesadelo do qual não consigo escapar, esse nós não reúne a mínima cota que seja de brancos.





[1] Ronald Augusto é poeta, letrista e ensaísta. Formado em Filosofia pela UFRGS. Autor de, entre outros, Confissões Aplicadas (2004), Cair de Costas (2012), Decupagens Assim (2012), Empresto do Visitante (2013), Nem raro nem claro (2015) e À Ipásia que o espera (2016). Dá expediente no blog www.poesia-pau.blogspot.com  e escreve quinzenalmente no http://www.sul21.com.br/jornal/


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

contra a cafonice amorosa

Contra a cafonice amorosa Eduardo Vicentini de Medeiros[1]
Cometer poemas carrega lá seus perigos. Quando a amada é alvo do verso então, avista-se tenebroso triângulo das bermudas com seus vértices de naufrágio: a cafonice, o sentimentalismo e o derrame lamuriante sem beiras nem eiras.  E cantar musa viva e poetisa, quem se atreve? Ronald Augusto o fez em “À Ipásia que o espera” cruzando incólume tais ameaças com língua atesada, vento de popa e verga firme. E quando a maré não estava pra peixe, rumou por terra, “oito horas e meia de viagem/ dentro de ônibus em noturna via”. Diga-se, de passagem, que Ronald articula seu périplo com requinte multimodal. Sua caixa de ferramentas é repleta de surpresas. Destaco um quarteto de pasmos e admirações. Começando pelos caligramas espalhados aqui e acolá, com aquele viço de coisa desde sempre provisória que lembra alegremente o caderno de notas que, ao que tudo indica, está sempre à mão do poeta (e de sua musa) pra conter jorros de palavras e garatu…

Dá licença, meu branco!

Irene preta, Irene boa. Irene sempre de bom humor. Quem quer ver Irene rir o riso eterno de sua caveira? Parece que só mesmo no espaço sacrossanto da morte, onde deparamos a vida eterna, está permitido ao negro não pedir licença para fazer o que quer que seja. Não se pode afirmar, mas talvez Manuel Bandeira tenha tentado um desfecho ambíguo para o seu poema: essa anedota malandramente lírica oscila entre “humor negro” e humor de branco, o que, afinal de contas, representa a mesma coisa. No além-túmulo – e só mesmo aí –, não nos será cobrado mais nada. Promessa de tolerância ad eternum, e sem margens, feita por um santo branco, esse constante leão de chácara do mais alto que lança a derradeira ou a inaugural luz de entendimento sobre a testa da provecta mucama. Menos alforriada que purificada pela morte, Irene está livre de sua “vida de negro”, mas, desgraçadamente, só ela dá mostras de não ter assimilado isso ainda; quando a esmola é demais o cristão fica ressabiado. Na passagem desta…