José Weis e o ideal de rejeição de Lenhador de samambaias




Ronald Augusto[1]

Num ensaio muito interessante dedicado ao poema dramático de Mallarmé L’après-midi d’un Fauno (1865-1876) e as sucessivas versões a que foi submetido desde sua primeira recusa para ser encenado, Décio Pignatari aventa a hipótese de que o poeta simbolista concebeu essa aventura criativa como uma “antiestocástica do poema”. Pignatari define assim o processo estocástico: “uma aproximação gradativa a uma mensagem desconhecida, a partir dos dados de um código conhecido”. Outro exemplo fornecido pelo crítico seria o do progressivo ajuste de foco de uma imagem, o movimento de “um desfoque máximo para um foco otimizado.”[2]

Mallarmé respondeu a cada recusa ao poema (cuja recepção crítica censurava como peça obscura e ininteligível) dando-lhe um tratamento sempre mais e mais distante de uma configuração apropriada a um texto encenável. Por uma série de supressões sintáticas e lexicais o poema foi perdendo comunicabilidade dramática e ganhando em elipse e concentração ao nível da melopeia; em suma e, talvez, paradoxalmente, silêncios e lacunas expressivas foram introduzidos em sua linguagem. A cada revisão Mallarmé dava menos eloquência gesticulatória ao poema.

Se evoco a experiência de linguagem do grande simbolista é porque me parece que a escrita poética de José Weis guarda alguma relação com essa lição compositiva que só tem em vista o sucesso estético do poema, mesmo que para isso seja necessário enfrentar o seu fracasso referencial. Sei que José Weis não é um poeta de linhagem mallarmaica, pelo contrário, seu apetite discursivo (que bebe naturalmente da cachaça dos modernistas) é mais pela mundanidade do que pelo abismo da página estéril e branca. Seus poemas se situam numa “zona de interseção entre/ uma autocrítica e sua compaixão”. Para Mallarmé não importa tanto a autocrítica que, para ele, seria decorrência da própria linguagem e sua permanente condição de crise; o poema mallarmaico é crítico e sem compaixão e quem fala através dele não é o poeta, mas a linguagem ela mesma.

Quem fala nos poemas de José Weis? Ele mesmo, mas através de máscaras. Sua compaixão autocrítica passa por filtros irônicos de dicções aprendidas no contato sensível com a tradição, pois “Árdua é a vida de um Fauno/ sem a poesia de Mallarmé/ sem a música de Debussy/ e nem uma ninfa sequer...”. Mas a alusão a essas aparentes carências não vem à tona do verso de Weis sem a marca do fingimento, seus versos avançam em imagens e ritmos coloquiais que se fazem acompanhar da marcação de um ridendo, senha de uma contida metalinguagem a assinalar que suas palavras não devem ser levadas tão a sério.

Afastei-me um pouco do sentido inicial dessa resenha, qual seja, reconhecer no conjunto de poemas Lenhador de samambaias uma aplicada arte de recusas, o que, aliás, já está expresso no poema “Intuição”, o terceiro do livro, que diz: “No caso da recusa/ ser a própria musa/ todo bardo elege,/ com sábia devoção/ seu ideal de rejeição”. Esse traço do percurso poético de José Weis é admirável, isto é, sua escolha por não tornar mais adiposo o acervo imenso dos livros fáceis que se publicam a torto e a direito, porque resolveu concentrar seu esforço reduzindo os seus conjuntos de poemas ao que interessa. Esse escrúpulo de publicar a qualquer custo faz com que a poética de José Weis encontre também o domínio da ética; o esperado livro de José Weis não chegou tarde, não. Chegou íntegro, sem nódoa de barganha com a facilidade ou com o espalhafatoso, afinal, quando assediada, edulcorada e “Encurralada, a palavra escapa/ desaba a pretensão do poeta”.

Com efeito, junto com a admiração de muitos dos seus iguais por sua poesia, a raridade com que essa poesia mesma aparecia ao longo desses anos, talvez causasse, por outro lado, um secreto incômodo. Todos nós sabíamos da existência e da qualidade dessa poesia, entretanto, frente à sua correlata escassez – seu corajoso silêncio vizinho à esterilidade? – quem sabe quantas vezes não nos tenhamos feito a pergunta: mas por que diabos o Zezinho nos oferece tão pouca quantidade dela?

Vinte e cinco anos de estrada e agora José Weis publica Lenhador de samambaias, um livro magro, pouco mais que uma plaquete. Quase trinta anos se dando tanto em troca de tão pouco. O livro tem 68 páginas, incluídas as correspondentes à apresentação de Sidnei Schneider, ao sumário e à epígrafe extraída de Miguel de Cervantes (onde o ego scriptor de José Weis espera conquistar através do trabalho com a linguagem a graça de ser poeta que o céu não lhe quis outorgar). Parece até que o poeta publicou a contragosto ou, com generoso orgulho, se deixou publicar. Para uma estreia de um poeta cinquentenário o “sinal de menos” com que Lenhador de samambaias se honora – se o colocarmos em relação com o perdulário das publicações que o cercam – confirma para mim a imagem de que José Weis conquistou para si a alegria de nos oferecer um livro que vale por todos os dos seus pares mais ansiosos.





[1] Ronald Augusto nasceu em Rio Grande (RS) a 04 de agosto de 1961. Poeta, músico, letrista e crítico de poesia. É autor de, entre outros, Homem ao Rubro (1983), Puya (1987), Kânhamo (1987), Vá de Valha (1992), Confissões Aplicadas (2004), No Assoalho Duro (2007), Cair de Costas (2012) e Decupagens Assim (2012). Dá expediente no blog www.poesia-pau.blgspot.com e é diretor associado do website WWW.sibila.com.br
[2] CAMPOS, Augusto de; CAMPOS, Haroldo de; PIGNATARI, Décio. Mallarmé. São Paulo: Perspectiva, 1980, p: 107.

Comentários

Postagens mais visitadas